sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Conto de natal




Ai! Para o Tónio e para a sua pobre mãe, a vida continuava a correr com dureza.
Órfão de pai, com pouco mais de oito anos, era só ele a auxiliar a pobre mulher, apanhando – lhe feixes de lenha e trabalhando com ela por causa dos vizinhos, quantas vezes em serviços superiores às suas forças e demasiado rudes para a sua idade!
Como a vida lhe decorrera sempre sem um sorriso, o infeliz era naturalmente triste, mas, ao mesmo tempo, era bom e resignado.
Entrara Dezembro e com ele a invernia, que ia decorrendo inclemente.
Á medida que se aproximava a noite de natal, Tónio ia pensando com amargura:
-Quantos meninos que nessa noite têm sido comtemplados com uma lembrança do Menino Jesus! E eu nunca! Nunca! Porque terá sido? Uns dizem que encontram brinquedos metidos nos sapatinhos; outros; que mesmo dinheiro para comprarem o que tenham maior necessidade…
Se também este ano se tornará a esquecer de mim?!... Que eu nada me admiraria: ainda que me quisesse trazer alguma coisa, onde é que me havia de deixar, se eu nunca tive sapatinhos, para lhe pôr á espera em cima da pedra da chaminé?
 A parte final do solilóquio, terminada em voz alta, era, às vezes, ouvida pela mãe, em cujas faces se viam deslizar algumas lágrimas silenciosas.
-Pobre anjinho! – Pensava tão criança e desiludido!
Ó meu Jesus! Ajudai-me a dar-lhe este ano uma alma nova.
Na decisão de um movimento, viu-se que tivera uma inspiração e que fizera certo projecto…mas calara-se muito calada com a sua ideia.

Chegara a noite de consoada. Para a ceia de que a pobre da Ana Torcida, vizinha e sem mais ninguém, viera participar, mão caridosa dera comida abundante: batatas, tronchos, bacalhau, polvo, arroz e até mexidos e rabanadas.
Tónio, como criança, atirara-se com delícia e sofreguidão a todos os manjares, as pobres mulheres pouco mais fizeram que tocar em algumas vianda. Finda a ceia e por causa do pequeno, jogara-se ainda o rapa, a pinhões.
Até que a Ana Torcida resolveu despedir-se e recolher ao seu casebre.
Sozinha, a mãe de Tónio, antes de se deitar, fora pé ante pé buscar alguma coisa, que colocara sem ruído na pedra da chaminé; em seguida metera-se na cama com a criança.
Quando, no outro dia, Tónio acordou e viu sobre a pedra do fogão, em vez das chancas, uns sapatos novos e lindos, ficou radiante e saltou aos beijos á mãe e ao Menino Jesus, pregado na parede, ao colo de Nossa Senhora.

Augusto Moreno

3 comentários:

  1. lindo conto de natal que encontrei num livro de leitura da 3ºclasse do ano de 1946.

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  3. lindo texto ...de amor de MAE...e amor a JESUS ...mil bjs de luz

    ResponderEliminar